Quase dez mil trabalhadores já perderam o emprego na Construção Civil do DF em 2015

desemprego-construcao-dfA crise enfrentada pelo Brasil vem provocando um grande número de demissões na Construção Civil do DF. De acordo com o Sindicato da Indústria da Construção Civil do Distrito Federal (Sinduscon-DF), estão entre os principais fatores a recessão econômica do país, a lentidão na aprovação de novos projetos e o atraso nos pagamentos das obras contratadas do Programa Minha Casa Minha Vida, do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e do GDF.

Com as dificuldades enfrentadas pelo setor, as construtoras estão sendo obrigadas a diminuir o quadro de funcionários. Segundo dados divulgados pelo Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de Brasília (STICMB), de janeiro a março de 2015, quase 10 mil trabalhadores foram demitidos na Construção Civil, somente no Distrito Federal. Em 2014, foram 45 mil homologações.

O presidente do STICMB, Edgard Viana, avalia que o setor está passando por uma crise muito grande. “O número demissões têm aumentado e a tendência é que esse número cresça ainda mais, porque não temos obras na cidade”, avalia. 

A burocracia também é um fator agravante na capital federal e vem travando a cadeia produtiva do setor. Atualmente, só em Taguatinga, cerca de 10 mil unidades comerciais e residenciais, prontas para serem entregues, estão sem a Carta de Habite-se. “Isso sem contar com os milhares de unidades em todo o Distrito Federal que se encontram na mesma situação. Com isso, as construtoras, paralisadas por conta do processo burocrático e insegurança jurídica, não viabilizam novos empreendimentos. Consequentemente, as empresas não têm onde realocar esses funcionários, resultando em demissão”, afirma o presidente do Sinduscon-DF, Luiz Carlos Botelho.

Normalmente, o setor da construção tem uma elevada rotatividade, mas o que chama a atenção é o número entre admissões e demissões, se comparado ao do ano passado. De acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), as demissões em fevereiro, por exemplo, superaram as contratações em 25,8 mil na Construção Civil. Em 2014, o dado, sem ajuste, foi de 25 mil positivos para o mesmo mês.

(do Portal Construção DF, com informações da Assessoria de Comunicação do Sinduscon-DF)